Por: Tiago Haubert
Visualizações: 2253

Descaso nas estradas e Feira do Livro de Frankfurt

10/10/2013

Hoje, em virtude da perda de um amigo querido, expressarei minha indignação em relação ao estado deplorável de nossas estradas.

Há alguns meses em virtude dos protestos, achou-se que ecoava o brado heróico e retumbante de nossa nação.

Acompanhei e participei ativamente dos protestos que começaram a engrandecer nosso país, mas em meio àquele mar de gente sorridente, havia me ocorrido uma pergunta que acreditei valer a reflexão: Quanto tempo se leva para mudar uma nação?

O Brasil pareceu querer começar um processo de mudança. Isso por si só já era um gigantesco avanço para nossa pátria amada tão inerte e acomodada. Na época escrevi que esperava falar dos dias atuais com orgulho do que conseguimos.

Disse esperava, porque tinha e tenho a convicção de que para se mudar uma nação leva tempo. Não é em um dia ou dois que conseguiremos realmente revolucionar o país assolado pela corrupção, jeitinho, descaso e regalias de poucos.

Apoiei efetivamente as manifestações por ser apartidária e vi inúmeras pessoas indignadas. Isso é fundamental. Não aguentávamos e nem aguentamos mais. Porém, o que percebi foi que de nada adiantou e o meu temor vem se concretizando. Menos de cinco meses depois as pessoas já esqueceram a essência daqueles protestos: a busca para melhorar o país. Então, venho aqui tentar fazer a minha parte.

Não vamos deixar esse espírito de luta morrer e sermos condescendentes com um país que desperdiça 1,5 bilhão de reais num único estádio e deixa nossa BR-101 sul ao descaso, causando milhares de mortes por ano.

 Não quero tornar esse post um trampolim político para um ou outro partido, apenas espero impulsionar novamente aquele espírito de luta para sairmos da inércia revoltante na qual nos alicerçamos. Não vamos nos contentar com o ruim ou o menos pior. Vamos assumir as rédeas desse país. Vamos buscar uma mudança de verdade. Temos esse poder. As ruas deram um gostinho disso, afinal a PEC 37 foi rejeitada, não foi?

Tenho convicção de que uma mudança significativa levará tempo, mas devemos começar o mais rápido possível e deve partir de nós, de nossa revolta, independente de quem estiver no poder. Está mais do que na hora de fazermos realmente nossos papéis como cidadãos e lutarmos pela mudança que tanto desejamos. Não vamos aceitar um país em que as estradas sejam vergonhosas; um país em que se prioriza o gasto do dinheiro público com pão e circo ao invés de saúde e educação; um país em que bancos lucrem bilhões e bilhões de reais cobrando juros impraticáveis e em que aeroportos e metrôs sejam artigos de luxo; um país em que as 15 pessoas físicas mais ricas detém quase o mesmo valor que a reserva brasileira de R$ 300 bilhões ; um país em que políticos votem seus aumentos salariais desvairadamente num acordo de não agressão entre os poderes; um país em que bandidos se tornem ministros...

Indignado, venho trazer algumas informações de como nosso dinheiro não é bem administrado.

Os gastos médios públicos com mortes nas estradas foram estimados em R$ 500.000,00/acidente (esse cálculo está no primeiro link abaixo, onde mostra a forma como se chegou a esse valor). Numa rodovia como a BR-470, uma das mais perigosas de Santa Catarina, onde em 200 Km ocorrem cerca de 150 mortes por ano, custaria em torno de R$ 75 milhões/ano (500mil x 150).

Nesse mesmo trecho, há também cerca de 500 acidentes/ano apenas com feridos. Fazendo-se uma média da km dessa BR, com um custo unitário de R$ 25 mil/acidente, acrescentaria o valor de aproximadamente R$ 12,5 milhões/ano (500 x 25mil) a conta, ou seja, totalizaria cerca de 87,5 milhões/ano com acidentes nos 200km da BR-470.

Busquei informações também e constatei que custa em torno de R$ 2.300,00 por Km aos cofres públicos para realizar uma duplicação. Nesse estudo, a obra custaria cerca de R$ 460 milhões.

Acrescentando a informação de que se pode reduzir 50% os acidentes nas rodovias duplicadas, a economia anual seria de quase R$ 45 milhões/ano.

Fazendo-se os cálculos em aproximadamente 10 anos a rodovia estaria duplicada e o investimento já teria sido pago. Isso fora o valor imensurável das vidas e das pessoas que sofrem as conseqüências de tal negligência.

Até quando aceitaremos às milhares de pessoas que morrem em nossas estradas inacabadas e descuidadas?

Assim como o conhecimento, a mudança leva tempo, mas depois que você a incorpora, não há retrocesso. Chega de aceitarmos o que é nos imposto sem questionarmos ou lutarmos para um país e mundo melhores.

Chega de conformismo!

 

Aproveito também para trazer o texto de Luiz Ruffato, na abertura da Feira do Livro de Frankfurt que acontece entre os dias 9 a 13 de outubro, onde o Brasil é homenageado. Apesar das polêmicas envolvendo a escolha da comitiva de escritores brasileiros que deixaram de fora, nada mais, nada menos que Raphael Draccon, André Vianco e Thalita Rebouças e também Paulo Coelho que negara a sua participação em virtude disso, o discurso de Luiz Ruffato  traz justamente a indignação de quem não aguenta mais tanta desigualdade. Vale a pena ler! Só é uma pena que traga uma visão pessimista do Brasil perante o mundo, mas quem sabe assim as coisas comecem a mudar.

 

Link: http://oglobo.globo.com/blogs/prosa/posts/2013/10/08/luiz-ruffato-faz-duras-criticas-ao-brasil-na-abertura-em-frankfurt-511413.asp

 

Seguem os links da minha pesquisa:

- Gasto médio anual com acidentes em rodovias com óbito: http://vias-seguras.com/os_acidentes/custo_dos_acidentes_de_transito/ipea_estima_custo_anual_com_acidentes_em_r_40_bilhoes

 - Quantidade de acidentes nos 200km da BR-470: http://www.clicrbs.com.br/especial/sc/jsc/19,6,3566983,Recorde-de-mortes-na-BR-470-deixa-rastro-de-sofrimento-no-Vale.html

- Total de acidentes na BR-470 anual: http://www.rbatv.com.br/noticia-jr/numero-de-acidentes-e-mortes-na-br-470-cai-4639

- Custo acidentes sem óbito: http://vias-seguras.com/os_acidentes/custo_dos_acidentes_de_transito/custo_dos_acidentes_definicoes_e_apresentacao_das_pesquisas

- Taxa de redução de acidentes com duplicação: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2013/08/18/interna_politica,436476/com-duplicacao-da-br-381-numero-de-mortes-pode-cair-ate-60.shtmlhttp://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=499907"> e http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=499907

Mais posts do autor
Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
este post

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

O Blog

Tiago Haubert
Blog com o intuito de compartilhar informações ligadas à literatura catarinense e brasileira. Nesse espaço, também transcreverei minha jornada de aspirante a escritor, onde trarei entrevistas com autores, dicas e aprendizados àqueles interessados em publicar seus livros e relatarei histórias cotidianas na busca a esse sonho de me tornar um escritor profissional de ficção. Caso o leitor queira divulgar seu trabalho, livro, conceder entrevista e contribuir com materiais ligados, favor entrar em contato com tiagohaubert@hotmail.com. Vamos apoiar escritores nacionais! Tiago Haubert é um aspirante a escritor e manezinho sonhador. Começou a escrever aos 13 anos e, pelas circunstâncias da vida, deixou o projeto de lado até se formar em Direito pela UFSC no ano de 2009. Nesse meio tempo, virou advogado e empresário dono da marca de roupas FORS, mas nunca esqueceu aquele sonho de um dia conquistar leitores. Em 2012 retomou essa busca e em meados de finalizar seu primeiro livro, pretende ganhar seu lugar ao sol entre as editoras publicando nas "colunas e blogs" do site "Tudo Sobre Floripa" e no Blog Causos de Um Aspirante a Escritor (www.aspiranteaescritor.com.br).

Opiniões expressas nos blogs e colunas por meio de suas publicações são de exclusiva responsabilidade do autor, não passam por qualquer controle de edição, editoração ou conteúdo e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.

Blogueiros & Colunistas

Voltar