Por: Fala, Zanfra!
Visualizações: 3331

O futuro está no mar

13/05/2019

Tenho um sobrinho que se formou em Oceanografia há menos de dois anos e já está abandonando a profissão. Descobriu, um pouco tardiamente, que não existe mercado de trabalho para oceanógrafos.

Desde que se formou, estava trabalhando longe da família e mal ganhando para pagar o próprio aluguel. Fazia um serviço de tabulação de dados com pescadores que poderia ser feito por um assistente social, um estatístico ou mesmo um estagiário, e recebendo um salário digno deste último.

A única ligação do serviço com a área que escolheu para a carreira é o ambiente de trabalho dos homens cujos dados coletava. Decepcionado, está decidindo entre várias outras carreiras a seguir. É jovem e ainda tem tempo para isso.

Ele me disse que, dos vinte colegas que se formaram com ele, só cinco estavam trabalhando em alguma função ligada à Oceanografia, e todos, como ele, ganhando salário miserável.

É uma pena, porque considero a Oceanografia uma das profissões do futuro. Oceanografia e Engenharia de Alimentos. Quando a coisa apertar, quando o ambiente se tornar irrespirável e a comida não der para todos, a Humanidade vai ser obrigada a procurar a alternativa oceânica e a produção de alimentos a partir de, quem sabe, plástico reciclado.

O Homem acha que a salvação está no espaço, mas se engana. Por que procurar condições de sobrevivência a uma distância que demandaria viagens de centenas de anos, quando o mar está aqui pertinho? Da minha casa, mesmo, basta caminhar quinhentos metros e eu já posso enfiar os pés no futuro! E outra: dois terços da superfície terrestre estão cobertos pelos oceanos; se levamos dois mil anos para destruir o ambiente sólido em que vivemos hoje, teríamos pelo menos o dobro disso para destruir o resto.

Em vez de sonhar em construir redomas para abrigar a população em Marte, por que não construí-las no fundo dos oceanos. Sairia muito mais barato, certamente. E muito mais acessível, porque – não se enganem! – só os muito ricos vão poder se valer da opção de continuar a vida em outro planeta. Ou os diletos leitores acham que um governo que não tem dinheiro para o programa Minha Casa, Minha Vida vai custear a viagem da classe baixa ao paraíso prometido?

O problema é que, desde Colombo e seu ovo em pé, as soluções mais óbvias parecem mais difíceis de ser encontradas. Vai chegar um dia em que a Humanidade vai se convencer de que a salvação está no mar, e aí vão sair correndo atrás de oceanógrafos para coordenar as pesquisas necessárias a criar o ‘planeta aquático’, que poderá até ser chamado de Atlântida, por que não?

Até lá, fica valendo a brincadeira que fiz com meu sobrinho, quando ele disse que tinha optado por Oceanografia porque queria ter um emprego à beira-mar, e eu sugeri que vendesse picolés na praia, porque daria mais dinheiro: como ele pôde perceber agora, eu tinha razão, infelizmente!

Mais posts do autor
Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
este post

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Opiniões expressas nos blogs e colunas por meio de suas publicações são de exclusiva responsabilidade do autor, não passam por qualquer controle de edição, editoração ou conteúdo e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.

Blogueiros & Colunistas

Voltar