Por: Cronicidade
Visualizações: 1894

O livreiro

04/08/2013

Quem vive em Florianópolis e gosta de livros e discos, conhece o Seu Lima. Se não, deveria conhecer. O cara é o melhor livreiro da cidade, além de dono de um acervo de raridades musicais em vinil e CD. E isso sem precisar de um estabelecimento tradicional com endereço, CNPJ, letreiro, computador. Há 15 anos seu endereço comercial é o canto sul da feirinha do Largo da Catedral. De quarta a sexta-feira, entre produtos artesanais, utilidades e inutilidades domésticas e badulaques diversos, ele recebe a clientela cativa em sua barraca-sebo.


Engana-se quem pensa que o livreiro das ruas é um amante inveterado de música e literatura. Ele até gosta disso, mas o verdadeiro espírito desse senhor de 74 anos é o de um negociante nato. “Não tenho tempo pra ler porque estou sempre correndo atrás de mercadoria nova. Só leio a sinopse dos livros pra poder orientar os clientes”, conta.


Seu Lima é o comerciante meticuloso que garimpa o que há de melhor nas estantes ociosas espalhadas por aí, em apartamentos empoeirados, classificados da internet, caixotes esquecidos em garagens, sebos comuns. Ele pesquisa, fareja a oportunidade e faz a correria para tirar o seu.


Onadir Otacílio Lima nasceu em Tubarão e migrou para Sampa na década de 50. Trabalhou como office-boy, oficial de justiça e sucateiro, nesta ordem. Meteu-se com compra e venda de produtos diversos em leilões, teve uma loja de antiguidades. Depois de quase meio século tragado pela pauliceia desvairada, resolveu voltar para Santa Catarina. Estabeleceu-se em Floripa. Na mudança, em meio a dificuldades financeiras, veio a ideia do novo negócio: botar à venda seu acervo particular de 500 livros e 500 CDs.


Conseguiu um espaço na feirinha e a ideia progrediu. Hoje ele possui um estoque com cerca de 20 mil discos e 25 mil livros. O forte é rock, ficção e espiritismo. A cada semana ele faz uma seleção cuidadosa para levar à barraca e manter os clientes entretidos. “O cliente quer sempre novidade, livros bons, de ponta. Meu trabalho é ir atrás disso”, explica. Além da variedade do acervo, o segredo do comerciante é sua “agenda mágica”, onde anota os pedidos e esperanças dos leitores e ouvintes aficionados.


De alto ou baixo escalão na hierarquia social – magistrados e donas de casa, intelectuais e roqueiros adolescentes – a clientela fiel não dispensa uma passadinha semanal no sebo-móvel do Seu Lima. Na negociação, ele é conhecido por ser duro na queda. Sabe o valor do seu trabalho. O comprador chora, às vezes até consegue um descontinho, mas quase sempre acaba pagando. O livro esgotado e a relíquia musical não têm preço para quem os encontra após uma longa procura. E muitas vezes eles estão ali, à espera silenciosa de alguém, entre os transeuntes apressados do Centro.


A digitadora Elisabete Caetano, cliente fiel, é uma típica leitora, com a eterna necessidade de um livro novo para lhe fazer companhia. “Termino um e já quero começar outro. Aqui toda semana tem alguma coisa diferente”, diz ela, cujas preferências literárias vão de livros psicografados a 50 tons de cinza. Elisabete escolhe mais uma obra, acerta o pagamento e segue seu caminho satisfeita, até desaparecer na multidão.


Seu Lima puxa a “agenda mágica”, anota alguma coisa e senta em sua cadeirinha de praia à espera de mais um cliente.

Mais posts do autor
Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
este post

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

O Blog

Cronicidade
Autor: Rafael Leiras Cronicidade é o mesmo que periodicidade, ou seja, o estado do que ocorre em tempos determinados. Esta palavra incomum, esquecida nos dicionários, também parece fundir as ideias de crônica e cidade – dois territórios onde transcorre a vida, com seus ciclos eternos, seus tempos determinados. Cronicidade dá nome a este espaço, abrigo de fotografias e textos, livres de rótulos ou classificações. Simples registros do cotidiano da nossa época. Rafael Leiras é jornalista, escritor e roteirista. Nas redações, trabalhou como repórter em jornais do Rio de Janeiro e de Florianópolis.

Opiniões expressas nos blogs e colunas por meio de suas publicações são de exclusiva responsabilidade do autor, não passam por qualquer controle de edição, editoração ou conteúdo e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.

Blogueiros & Colunistas

Voltar