Cultura, Florianópolis - 27 Mai 2021 11:50

11º Múltipla Dança segue com programação no you tube até domingo (30)

Crianças podem curtir espetáculos no fim de semana
Por: Direto da Redação TSF
 

O 11º Múltipla Dança - Festival Internacional de Dança Contemporânea segue até domingo (30), com ampla programação, numa versão inteiramente on-line, e entra em sua etapa final. Com todas as ações mediadas por tecnologias digitais, o evento envolve cinco países, oito estados brasileiros, oito cidades catarinenses, 35 convidados, sete espetáculos, um curso de formação para professores de arte, quatro oficinas, dois diálogos, sete intervenções digitais, duas conferências dançadas, um lançamento de livro, uma homenagem e duas mostras, uma de apresentação de resultados de uma das oficinas e uma mostra de videodança que se desdobra em três programas e 26 obras.

Legitimado pelo Prêmio Elisabete Anderle de Apoio à Cultura 2020, o festival é considerado importante nesta área do Sul do Brasil. Os espetáculos e as conferências dançadas estarão disponíveis só no dia/horário marcado para exibição.

O 11º Múltipla Dança atende ao público infantil, juvenil e adulto com exibições on-line pelo Youtube. A dança para as crianças sempre compõe os conceitos curatoriais do evento que em 2021 inclui três espetáculos infantis da Cia Druw (SP):  “Por Ti Portinari”, “Dalí, Daqui ou De Lá?” e “Poetas da Cor”. Os três trabalhos aproximam as artes visuais e a dança contemporânea, tem uma hora de duração e serão reapresentados nesta sexta, sábado e domingo, entre 16 e 17 horas, sempre pelo YouTube.

“Por Ti Portinari” abre a série ganha apresentação na sexta (28). O trabalho reverencia Cândido Portinari (1903-1962), importante nome na história da arte brasileira, célebre pela obra “Guerra e Paz”, criada para a sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York. Os dois painéis produzidos entre 1952 e 1956 – de 14 metros de altura, endossam um grito pela paz, contra toda e qualquer forma de violência.

- Fizemos um mergulho profundo nas obras de Portinari, nos textos, poemas, nos encontros com o João Cândido, filho do artista. Percebemos no mural que a dor e a paz universal estão retratadas ali, há um diálogo entre o trágico e o lírico, a fúria e a ternura, o drama e a poesia. Durante a coreografia dialogamos com as referências desses e de outros quadros -, diz Miriam Druwe, diretora da Cia. Druw.

- A criação traz à tona nossa necessidade interior de voltar à essência da infância, da criança que já fomos um dia e toma pela mão a obra de Portinari como guia, por ele e através dele, Por Ti Portinari -, completa ela.

Regina Advento em MalenRegina Advento em Malen

“Dalí, Daqui ou De lá?”, atração do sábado (29), hibridiza as artes visuais e a dança para percorrer as criações surreais do pintor espanhol Salvador Dalí (1904-1989) e trazer referências, também dos artistas René Magritte (1898-1967) e Frida Kahlo (1907-1954). A obra inspira-se nos procedimentos do movimento surrealista como sobreposição de objetos desconexos, imagens poéticas, o humor, o sonho e a imaginação para criação de uma composição lúdica.

No domingo (30), é a vez de “Poetas da Cor” que mergulha em cromatismos para proporcionar uma experiência a partir de partituras imaginárias e poéticas na dinâmica deletéria do gesto. As cores estão em tudo, dentro e fora das coisas, na luz, no pigmento, entre o céu e a terra, na física e na química. Com efeitos surpreendentes, produzem combinações e múltiplas tonalidades que potencializam a composição em cena. Para a Cia. Druw, “Poetas da Cor” são seres, energias que acionam e resgatam a essência do poder criativo espontâneo.

Lançamento de livro
Sexta (28), às 20h, no Youtube, ocorre o lançamento do livro “Historiografia da Dança: Teorias e Métodos” (Ed. Annablume, 2018), cuja organização esteve ao encargo de Rafael Guarato. Em vez de sessão de autógrafos, uma conversa com os autores Rafael Guarato, Beatriz Cerbino e Arnaldo Alvarenga sobre a obra que oferece diferentes procedimentos e correntes de pensamento sobre história da dança.

Guarato é historiador da dança e professor do curso de graduação em dança e do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena da Universidade Federal de Goiás (UFG). Autor de artigos publicados em diferentes periódicos internacionais e dos livros “Dança de Rua: Corpos para Além do Movimento” (2008) e “Ballet Stagium e a Fabricação de um Mito” (2019).

Cerbino é professora da Universidade Federal Fluminense, no curso de graduação em produção cultural e no Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes. É pesquisadora do INCT Proprietas, pesquisadora colaboradora da Rede Ibero-Americana de Videodança, e pesquisadora do TEPe - Technologically Expanded Performance. Tem publicações na área de história da dança, dança para a tela e autoria em dança.

Alvarenga é formado em dança pelo Trans-Forma Centro de Dança Contemporânea e em leitura corporal (fisiognomonia) pelo Núcleo de Terapia Corporal, ambos em Belo Horizonte. Graduado em geologia (UFMG); mestre e doutor em educação (UFMG). É professor associado dos cursos de graduação em teatro e de dança (UFMG) e da Pós-Graduação em Artes (UFMG). Tem livros e artigos publicados. Desenvolve pesquisas na área de estudos corporais, memória e história da dança. 

Conferências dançadas
No desejo de fidelidade ao propósito inaugural do evento, o 11º Múltipla Dança abarca a multiplicidade na exibição de trabalhos artísticos e nas ações de complementaridade entre criação, difusão e reflexão. Uma das experiências internacionalizadas propostas neste 11º Múltipla Dança vem com a artista brasileira radicada na Alemanha, Regina Advento que faz uma das duas conferências dançadas. “Artistas Transpostos - Intervenções em Espaços Abertos” ocorre no sábado (29), às 19h, pelo Youtube. Como tema, a busca da criação de um estilo de linguagem artística própria, fora de um contexto de grupo. Regina também tematiza o pertencimento ao Legado Vivo de Pina Bausch que deixa uma marca artística, assimilada e impregnada no corpo dançante e extravagante e vanguardista Angie Hiesl. Como atingir novas fronteiras e adquirir novas experiências fora do contexto protecionista de uma companhia? O grande desafio é a busca de harmonia entre os “novos passos” e as “velhas conhecidas formas” de condicionamento e comportamento em movimento, sendo essas últimas espelhadas na própria linguagem e comunicação artística.

Espetáculo Poetas da Cor (Foto Naava Bassi / divulgação)Espetáculo Poetas da Cor (Foto Naava Bassi / divulgação)

De Belo Horizonte (MG), Regina Advento dançou por sete anos no Grupo Corpo. Em 1990 foi convidada para integrar o Folkwang Tanzstudio, na Folkwang Universidade das Artes, na cidade de Essen, Alemanha. Nesta etapa, conheceu e trabalhou com diferentes mestres da dança, como Susanne Linke, Carolyn Carlson, Urs Dietrich, Hans Züllig, Malou Airaudo, Lutz Foster, Alfredo Covino, entre outros. Desde 2018, desenvolve um trabalho em dança terapia, musicoterapia e terapia corporal na Clínica Psicosomática Burghof Klinik na Baixa Saxônia. Atualmente finaliza o mestrado em M.A. Dança - Mediação, Pesquisa e Criação Artística na Universidade DSHS (Colônia).

No domingo (30), no Youtube, quem faz a conferência dançada “Dramaturgia Cinética e Dança” é Alejandro Ahmed e Aline Blasius, quando partilham o processo da criação artística e o treinamento em dança vinculados à trajetória do Grupo Cena 11 Cia. de Dança. Trata-se de uma experiência prática expositiva dos modos de acionar e criar a dança que define as fronteiras das “cosmotécnicas” que fundamentam as criações e práticas do Cena 11. Demonstram conceitos relativos ao movimento como invenção de si, levando em consideração as relações entre fragilidade, força e homeostase. A evidência de coautoria nas criações individuais e em grupo, tendo a causalidade espalhada como amparo para a criação de ecossistemas coreográficos.

Ahmed é coreógrafo, diretor artístico e performer do Grupo Cena 11 Cia. de Dança. Coreógrafo autodidata, junto ao Cena 11, promove o desenvolvimento de uma tecnologia de movimento que objetiva produzir uma dança em função do corpo e suas extensões. Termos como situação coreográfica, coreografia imaterial e dança generativa nomeiam os campos de interesse aos quais Ahmed objetiva atualmente seus procedimentos junto ao Cena 11 e como performer. Seu trabalho já foi apresentado além do território nacional em outros países da América do Sul, América Central, América do Norte, Europa e Ásia. Atuou como curador na MITsp, Bienal Internacional Sesc de Dança, Festival Cultura Inglesa, Mostra de Dança de Florianópolis, Itaú Rumos Dança, Petrobras Cultural e Festival de Dança de Joinville. As suas novas proposições teórico-práticas estabelecem a tríade correlacional Emergência-Coerência-Ritual como guia de suas ações. Com 19 obras estreadas entre 1994 e 2019, junto ao Cena 11 e colaborações com artistas como Lia Rodrigues (BR), Hooman Sharifi (NOR), Antônio Araújo (BR), Rodrigo Pederneiras (BR), Felipe Hirsch (BR), Inbal Pinto (ISR), Volmir Cordeiro (BR), Luís Garay (ARG), Michelle Moura (BR) e Maikon K (BR), é reconhecido pela singularidade de suas propostas e criações em dança. Destacam-se os trabalhos Violência, SkinnerBox, Carta de Amor ao Inimigo, Monotonia de Aproximação e Fuga para Sete Corpos e Protocolo Elefante, e os solos Sobre Expectativas e Promessas e Z. Ganhou quatro prêmios Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), um Prêmio Bravo, o Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia, Bolsa Vitae, Itaú Transmídia, Itaú Rumos Dança e prêmio Honra ao Mérito Cultural Cruz e Sousa.

Aline Blasius é artista da dança, desde 2007 integra o Grupo Cena 11 Cia. de Dança no qual participa dos processos de criação - formação - performance, e atua como assistente de direção de movimento. Interessada na construção de movimento como recurso transformador da cognição, percepção e presença, é praticante e professora de ioga e formada em terapias corporais. Em 2018 começou seu projeto Estudos Para Levitação, uma série de oficinas e estudos práticos em que intenciona compreender, compartilhar e ressignificar entendimentos de dança através de uma expansão da percepção corporal.

(Foto: Foto Claudio Roberto / divulgação)(Foto: Foto Claudio Roberto / divulgação)

EQUIPE TÉCNICA DO MÚLTIPLA DANÇA
Direção, coordenação de programação e curadoria: Jussara Xavier e Marta Cesar
Produção executiva:  Gisele Martins
Design gráfico e mídia eletrônica: Paula Albuquerque
Assessoria de imprensa: Néri Pedroso
Fotografia e vídeo: Cristiano Prim
Operação de streaming: Casarinha
Tradução e interpretação em Libras: Danielle Sousa e José Ednilson Gomes de Souza Júnior
Articuladoras: Jussara Xavier, Marta Cesar, Néri Pedroso e Paula Albuquerque
Ilustração: Fabio Dudas, sobre fotografia de Arnaldo J. G. Torres (Miriam Druwe - Cia. Druw).
Agradecimentos: Ana Francisca Ponzio, Elke Siedler, Regina Levy e Sandra Meyer

MÚLTIPLA DANÇA EM NÚMEROS
Países: Alemanha, África do Sul, Brasil, França, Suíça
Estados: BA, CE, GO, MG, RJ, SC, SP, PE
Cidades de SC: Balneário Camboriú, Blumenau, Criciúma, Florianópolis, Garopaba, Gaspar, Joinville e Pinhalzinho
Homenageado: Marco Aurelio da Cruz Souza (SC)
Espetáculos:  Adulto: “Normal”, Cia. Alias (Suíça); “Desvios Tático-estratégicos para Sobreviver à Vida Urbana”, Grupo Três em Cena (GO) e “Vis Motrix”, CocoonDance (Alemanha) e “Trottoir” (Calçada), Volmir Cordeiro. Infantil: “Por Ti Portinari”, Cia. Druw; “Dalí, Daqui ou De lá?”, Cia. Druw e “Poetas da Cor”, Cia. Druw (SP)
Convidados: Adriana Banana, Aline Blasius, Alejandro Ahmed, Ana Francisca Ponzio, Arnaldo Alvarenga, Beatriz Cerbino, Cristina Castro, Bruno Miranda, Denise Namura, Ederson Lopes, Elton Gomes, Ernesto Gadelha, Deivid Velho, Guilherme Botelho, Larissa Kremer, Karin Serafin, Lilian Vilela, Marco Aurelio da Cruz Souza, Maxwell Sandeer Flor, Michael Bugdahn, Miriam Druwe, Mirtes Calheiros, Néri Pedroso, Orum Santana, Paola Zonta, Paulo Soares, Rafael Guarato, Rafaële Giovanola, Regina Advento, Rodrigo Andrade, Sandra Meyer, Taís Matos, Volmir Cordeiro, Vitoria Correia e Waldir Coral.

Formação para Professores de Artes: “Recursos e Percursos no Processo criativo: Um Olhar Artístico sobre o Pedagógico”, Miriam Druwe (SP).

Conferência Dançada: “Artistas Transpostos – Intervenção em Espaços Abertos”, Regina Advento (Alemanha) e “Dramaturgia Cinética e Dança”, Alejandro Ahmed (SC) e Aline Blasius (SC)

Intervenção digital (vídeo + live): Bruno Miranda (Joinville), Larissa Kremer (Gaspar), Deivid Velho (Florianópolis) em colaboração com Paulo Soares, Waldir Coral (Balneário Camboriú), Tais Matos (Garopaba), Rodrigo Andrade (Blumenau) e Vitoria Correia (Joinville)

Lançamento de livro: “Historiografia da Dança: Teorias e Métodos”, Rafael Guarato (Org.), Ed. Annablume, 2018. Conversa com autores: Rafael Guarato (GO), Beatriz Cerbino (RJ) e Arnaldo Alvarenga (MG)

Oficinas: “Sankofa – a Dança como Presente”, Orun Santana (PE), “Múltiplas Críticas”, Néri Pedroso (SC), “Dançar Nossas Histórias” – Cie. À Fleur de Peau Denise Namura e Michael Bugdahn (França) e “Dança em Palavras: Experiências com Audiodescrição”, Lilian Vilela (SP).

Diálogos: “Representatividade e Fortalecimento das Setoriais de Dança em Santa Catarina” com Maxwell Sandeer Flor (mediador), Elton Gomes, Karin Serafin e Paola Zonta. “Processos de Internacionalização: Trajetórias e Abordagens de Festivais brasileiros” com Marta Cesar (mediadora), Adriana Banana (MG), Cristina Castro (BA), Ernesto Gadelha (CE), Ederson Lopes (SP) e Mirtes Calheiros (SP)

Mostras: Mostra de Processo Criativo: resultado da oficina “Dançar Nossas Histórias”, ministrada pela Cie. À Fleur de Peau e Mostra de Videodança (três programas, 26 vídeos). Programa 1: “I.M.P.E.R.M.A.N.E.N.C.E”, “Oh Boy!”, “Scioglilíngua”, “Displaced”, “Source”, “Different Directions”, “4”, “Antitempo”, “Reverb” e “Hands Talk”. Programa 2: “Floors Falls”, “Breath”, “Tábula Rasa”, “Monochrome Trilogy / Black”, “Tormetango”, “The Other Side”, “Mami Origami”, “Back”, “VDO1.6”, “Todos os Pontos da Curva” e “Flow”. Programa 3: “Falling”, “Pilgrimage, “Salt Water”, “Please Yes: Étude Aux Appuis” e “In London”

Regina Advento MALEN (Foto: Oliver Strömer / divulgação)Regina Advento MALEN (Foto: Oliver Strömer / divulgação)

SERVIÇO
O quê: 11º Múltipla Dança - Festival Internacional de Dança Contemporânea
Quando: Até 30.5.2021, diariamente
Onde: Zoom, Meet, YouTube, Instagram, Facebook
Quanto: gratuito (todas as ações)
Classificação: livre para todos os públicos

Programação completa:
multipladanca.art.br
facebook.com/festivalmultipladanca
@festivalmultipladanca
youtube.com/festivalmultipladanca


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar