Cultura, Florianópolis - 04 Jul 2013 12:50

Asilo Irmão Joaquim completa 111 anos sobrevivendo apenas de doações

Instituição que já atendeu milhares de idosos em mais de um século de atividades se mantém com ajuda de amigos e voluntários
Por: Róbinson Gambôa
 
Asilo Irmão Joaquim completa 111 anos sobrevivendo apenas de doações Instituição teve o prédio tombado como patrimônio histórico do município. (Foto: Róbinson Gambôa/Tudo Sobre Floripa)

Uma das mais antigas instituições de Florianópolis ainda em funcionamento, o Asilo Irmão Joaquim completa, nesta quinta-feira (4), 111 anos de serviços prestados à comunidade. Situado num prédio tombado como patrimônio histórico do município, ocupando quase uma quadra inteira na avenida Mauro Ramos, o asilo sobrevive apenas de doações, como instituição privada sem fins lucrativos. Mesmo assim, mantém hoje 35 pacientes, a maioria com necessidades especiais, além de um quadro de funcionários.

Membros da diretoria, como o diretor financeiro Vitor Warken Filho, trabalham como voluntários. Foi assim com a família do Vale Pereira,  que preside a instituição há três gerações. O atual presidente, Hipólito do Vale Pereira Neto, é filho e neto de ex-presidentes do asilo.

Vitor Warken revela a dificuldade em se conseguir renovar a direção, atraindo novas gerações para essa missão. No entanto, centenas de amigos costumam ajudar com doações de alimentos, roupas e até dinheiro, através de uma conta no banco.

É impossível calcular quantos pacientes já passaram pelo Asilo neste mais de um século de atividade.

- Foram milhares -, revela Vitor.

O paciente mais antigo na casa é Ivo Manoel de Jesus, de 66 anos, que nasceu com deficiência visual, e foi entregue no Asilo com apenas três anos de idade. Numa época em que o poder público não oferecia atendimento de saúde como hoje, Ivo foi educado pelas freiras que administravam o Irmão Joaquim. Com elas, ele aprendeu a linguagem braile, e também foi ao Rio de Janeiro estudar música. Ivo retribui o carinho assumindo o teclado durante as missas que ocorrem todos os dias na capela do Asilo.

Fá de escritores como machado de Assis, Gonçalves Dias e Jorge Amado, Ivo conta que já leu exatos 1.579 livros na vida. Mas, com seu fluxo de leitura, esse número é atualizado quase que diariamente. Uma vez por semana, ele percorre sozinho o trajeto do Asilo até a Biblioteca Pública do estado, na rua Tenente Silveira, onde busca novas obras em braile. Quando Ivo concluiu a leitura de todas as obras do acervo local, a biblioteca precisou fazer um convênio com uma entidade de São Paulo, de onde chegam novas obras para ele todos os meses.

Vitor Warken Filho, diretor financeiro, um dos que atuam de forma voluntária. (Foto: Róbinson Gambôa/Tudo Sobre Floripa) Vitor Warken Filho, diretor financeiro, um dos que atuam de forma voluntária. (Foto: Róbinson Gambôa/Tudo Sobre Floripa)

Vitor conta que existem em Florianópolis hoje 18 instituições em funcionamento que atendem idosos. No entanto, apenas o Irmão Joaquim não cobra mensalidades, prestando atendimento gratuito.

A expressão “Asilo de Mendicidade”, grifada no alto do prédio, junto à porta principal, já não é usada oficialmente, pois passou a ser considerada pejorativa. No entanto, como o prédio é tombado, não se pode mais retirar as letras em relevo que estampam as duas palavras na parede externa.

Vitor se comove e fica com os olhos marejados por cada história diferente que conta sobre o Asilo. Como do casal que foi internado junto, há alguns anos. O marido, inicialmente, cuidava da esposa em casa, desde que ela sofreu um AVC. No entanto, ele mesmo foi vítima de um derrame, e os dois acabaram deixados ali pela família.

De acordo com o regimento interno do asilo, homens e mulheres dormem em pavilhões diferentes. Com isso, o casal de idosos passava o dia de mãos dadas, mas à noite precisavam dormir separados. Até que, por iniciativa dos próprios colegas, o problema foi resolvido.

- Eles mesmos, em solidariedade, se uniram para pedir uma solução. Remanejamos alguns para outros quartos e finalmente conseguimos desocupar um alojamento só para os dois -, conta Vitor.

Quem quiser contribuir com alguma doação, Vitor aconselha que primeiro faça uma visita ao Irmão Joaquim. Roupas e alimentos são as maiores necessidades, mas doações em dinheiro podem ser feitas através da conta 105014-1, da agência 42366, Banco do Brasil.


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar