Cultura, Educação, Entretenimento, Eventos - 12 Mar 2019 21:05

CIC exibe filme catarinense que narra relação entre guaranis e incas

Diretora Carolina Borges de Andrade defende que conhecimento desse período é imprescindível para a identidade brasileira
Por: Direto da Redação TSF
 

Verão de 1516. Uma embarcação espanhola naufraga em Meiembipe, atual Ilha de Santa Catarina. Um dos sobreviventes, Aleixo Garcia, protagoniza uma das maiores aventuras para um europeu em terras brasileiras: percorrer a pé, na companhia de centenas de guaranis, um trajeto de três mil quilômetros, de Florianópolis até o território inca, na Cordilheira dos Andes, onde hoje é o Peru. A partir daí o Sul do Brasil vive uma verdadeira “corrida da prata”, antes mesmo do início da sua colonização oficial.

Esse é o tema do documentário “De Meiembipe a Chuquisaca: a descoberta do Império Inca” que estreia nesta quarta (13), às 19h no Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC). Com direção de Carolina Borges de Andrade, direção de arte e ilustrações de Eloar Guazzelli, direção de produção e de fotografia de Alexandre Peres de Pinho e animação de Lucas Feitosa, a obra narra a aventura do espanhol Aleixo Garcia pela principal transcontinental indígena do Cone Sul, o Peaberu, que se conectava ao Khapac Ñan, a rede de estradas incaicas, no Alto Peru (atual Bolívia).

Confira um treiler do filme:

O filme, um híbrido de animação e live action, foi feito no melhor estilo BO (baixo orçamento) e reúne os gêneros documentário e road movie, percorrendo as principais cidades e estados brasileiros, paraguaios e bolivianos por onde passou o protagonista. O filme reúne entrevistas dos três países, entre elas a do jornalista e escritor brasileiro Eduardo Bueno, o Peninha, autor da coleção Terra Brasilis, e do jesuíta espanhol, naturalizado paraguaio, Bartomeu Meliá, um dos mais importantes guaraniólogos da América Latina, atualmente com 87 anos de idade.

Segundo a diretora do documentário, Carolina Borges de Andrade, o edital do Prêmio Catarinense de Cinema possibilitou contar esta aventura em terras brasileiras, antes do início da colonização oficial do Brasil, e revelar a riqueza da cultura dos povos originários da região.

- Por meio do filme é possível perceber o intercâmbio entre guaranis (terras baixas) e incas (terras altas). É imprescindível para a identidade brasileira, especialmente do sul do Brasil, o conhecimento da riquíssima história desse período -,disse ela.

Para Guazzelli, premiado ilustrador e quadrinista, realizar a direção de arte para o curta-metragem foi, literalmente, uma aventura. O ilustrador percorreu com a equipe trechos da viagem no Brasil e na Bolívia.

- Ao longo de muitas estradas e processos criativos, a equipe conseguiu recriar um universo maravilhoso e ainda desconhecido do grande público. E acho que deu muito certo”, comemora.

Cineasta Carolina Andrade, destaque da nova geração do cinema catarinense (Foto: Facebook / divulgação)Cineasta Carolina Andrade, destaque da nova geração do cinema catarinense (Foto: Facebook / divulgação)

Reviver a rota de Aleixo Garcia também foi uma verdadeira aventura para a equipe que, além de enfrentar as dificuldades de qualquer grande viagem, os trâmites de cruzar várias aduanas e fronteiras com muitos equipamentos, ainda teve um outro desafio para concluir o curta.

- Tínhamos muito material bom e uma história complexa para contar no pouco tempo do formato curta-metragem, então tivemos que ter desapego e maestria para chegar ao corte final -, destaca o diretor de produção, Alexandre Peres de Pinho.

O curta-metragem de 25 minutos de duração, contemplado com o Prêmio Catarinense de Cinema, foi inspirado no livro da jornalista e escritora Rosana Bond, “A Saga de Aleixo Garcia: o descobridor do Império Inca”, publicado pela Editora Aimberê (1998).

A estreia
No lançamento do documentário “De Meiembipe a Chuquisaca: a descoberta do Império Inca”, dia 13 de março no CIC, o músico e pianista holandês Kristian Schot, autor da trilha sonora original inspirada em canções de trovadores medievais dos séculos XV e XVI, fará uma apresentação ao vivo utilizando piano acústico.

A produtora responsável pela realização do filme, Arrebol Produções, da diretora Carolina Borges de Andrade, busca viabilizar a produção de um longa-metragem sobre o mesmo tema, fruto da extensa pesquisa realizada para o curta.

No longa a diretora pretende aprofundar, por meio da tribalização de Aleixo Garcia, temas como a lendária transcontinental indígena Peabiru e a riqueza cultural da grande Nação Guarani, apresentando aspectos como a língua, a medicina fitoterápica, a riqueza astronômica, a cosmologia e a agricultura tradicional.


Ficha Técnica

Título: de Meiembipe a Chuquisaca: a Descoberta do Império Inca
Direção, Roteiro e Pesquisa: Carolina Borges de Andrade
Art Concept, Ilustrações e Direção de Arte: Eloar Guazzelli
Direção de Produção, Direção de Fotografia e Montagem: Alexandre Peres de Pinho
Editor de Animação e Finalização: Lucas Feitosa
Trilha Sonora Original: Kristian Scoth
Duração: 25 min
Ano: 2018
Realização: Arrebol Produções
Patrocínio: Prêmio Catarinense de Cinema/ Fundação Catarinense de Cultura
Apoio: Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina (MIS/SC)

Serviço:
O quê: Estreia do filme De Meiembipe a Chuquisaca: a Descoberta do Império Inca
Quando: quarta (13), às 19h e às 20h
Onde: Sala de Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis (SC)
Classificação indicativa: livre
Entrada gratuita


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar