Florianópolis, Grande Floripa, Palhoça, São José, Trânsito - 12 Ago 2014 15:30

Índios dão versão sobre as terras no Morro dos Cavalos, em Palhoça

Junto com representante da Funai, Caciques falaram com a imprensa nesta terça-feira
Por: Karina Schaefer
 
Índios dão versão sobre as terras no Morro dos Cavalos, em Palhoça Coletiva foi realizada na sede da Funai em São José (Foto: Karina Schaefer / Tudo Sobre Floripa)

A pedido do Cacique Marco Guarani, da Terra Indígena do Maciambu, uma coletiva de imprensa foi organizada nesta terça-feira (12), na sede da Fundação Nacional do Índio (Funai) em São José, para dar resposta a algumas afirmações feitas em uma matéria divulgada na última semana. No encontro, os índios demostraram indignação e rebateram acusações que encararam como racismo midiático.

Entre os presentes estavam, além do Cacique Marco e do coordenador da Funai Regional Litoral Sul, João Maurício Farias, o Cacique Hyral Moreira, do território indígena de Biguaçu; a Cacica Eunice Antunes, do Morro dos Cavalos; e Leonardo da Silva Gonçalves, índio Guarani e funcionário da Funai. Eles defenderam a área do Morro dos Cavalos como legitimamente indígena, e argumentaram que nunca deixaram de dialogar com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

— Nunca fomos contra o progresso, sempre fomos abertos a entender todos os lados. Mas não vamos sair de nossa casa, que é nossa e a Justiça reconhece. Estamos mesmo cansados de passar por essa discriminação estando em nosso direito e também cansados de ser marionete de políticos — explica a Cacique Eunice.

Outro ponto discutido na coletiva foi a origem do povo indígena no Morro dos Cavalos. Leonardo da Silva, o último a se juntar na mesa para conversar com os jornalistas, foi enfático na questão.

— É a mesma coisa que perguntar para quem não é indígena: de onde vocês são? Estão aqui por quê? Se estamos naquela região é por que queremos. Interessante como ninguém questiona o que o índio quer — indaga Leonardo.

Nenhum dos presentes reconheceu que paraguaios seriam os primeiros habitantes da região, nem Julio Moreira como pioneiro na ocupação do Morro dos Cavalos. Contudo, a migração não é contestada pela Funai, uma vez que é próprio da etnia dos guaranis.

— Os índios guaranis habitavam grande parte das regiões Sul e Sudeste da América Latina desde antes da formação do estado brasileiro. E eles sempre visitaram outras aldeias, casavam, traziam esposa, marido ou filhos e encontravam outras aldeias ou voltavam para a de origem. A mesma coisa com imigrantes alemães ou italianos. E agora eu pergunto, quem tem mais direito? — questiona João Maurício.

O que diz a Funai

Segundo a Funai, a justiça federal já deu ganho de causa em duas estâncias sobre as terras no Morro dos Cavalos. As terras no local ainda não estão homologadas, mas são reconhecidas como terras indígenas.

Sobre a prestação de contas o DNIT, como empreendedor repassa o dinheiro para uma conta chamada Renda Indígena na funai, que a Funai gerencia mas não é orçamento da União. Esse programa é auditado pelo Tribunal de Contas da União todos os anos. Se tivesse alguma irregularidade eles já teriam descoberto.

A fundação enfatiza que o tipo de matéria veiculada na última semana alimenta o sentimento anti-indígena na sociedade, reforçando o preconceito de que eles são cidadãos de segunda classe.

Ainda segundo a Funai, 29% dos municípios catarinenses têm nomes indígenas, comprovando a influência na construção da identidade do Estado. Apesar disso, menos de 1% do território estadual é povoado por índios. 

Com colaboração de Paulo Evangelista


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar