Eleições, Eleições 2016, Florianópolis, Geral, Política, Trabalho - 12 Jan 2017 14:05

Ministério Público quer acabar com a farra dos servidores candidatos

Suspeita-se que vários candidatos apenas se inscreveram no pleito para desfrutar da licença remunerada
Por: Direto da Redação TSF
 

O Ministério Público de Santa Catarina, por intermédio do Centro de Apoio Operacional da Moralidade Administrativa (CMA), remeteu aos Promotores de Justiça do Estado informações sobre possíveis irregularidades em 115 candidaturas inscritas no pleito eleitoral de 2016, todas elas de servidores públicos. A suspeita surgiu após avaliação dos resultados das eleições e do número de votos que esses candidatos receberam, sempre menos de 10 votos para cada disputante, alguns inclusive sem nenhum voto.

A análise foi realizada a partir de informações solicitadas ao TRE/SC. Segundo o MP, existe a possibilidade de que os candidatos tenham concorrido apenas para usufruir da licença remunerada para servidores em campanha eleitoral, sem praticar atos efetivos de campanha. Segundo a Lei Complementar nº 64/90, servidores públicos que desejem concorrer a cargos eletivos têm direito a receber sua remuneração integral durante o período de licença para campanha que, em alguns casos pode chegar a até seis meses.

No entanto, se o servidor inscreve-se como candidato apenas para gozar da licença sem efetivamente engajar-se na eleição há, segundo a perspectiva do Ministério Público, a possível ocorrência de ato de improbidade administrativa, punível nos termos da Lei 8.429/92.

Casos do tipo vem sendo identificados desde os anos 80, quando as eleições municipais foram regulamentadas em todo o país, após 20 anos de Ditadura. Por todo o País, servidores públicos se beneficiaram das brechas na lei para fazer do período pré-eleitoral uma espécie de “férias remuneradas”.

O Grupo Executivo Nacional da Função Eleitoral (GENAFE) expediu uma orientação sobre a atuação dos MPs estaduais nesses casos. A orientação, além de modelos de denúncia e ação de improbidade contra candidatos “laranjas” foram disponibilizadas pelo CMA aos Promotores de Justiça, que avaliarão os casos em suas respectivas Comarcas.

De acordo com o Coordenador do CMA, Promotor de Justiça Samuel Dal-Farra Naspolini, as candidaturas suspeitas envolvem servidores de todos os níveis, tendo o possível problema ocorrido em ao menos 80 Municípios do Estado.

- A candidatura fictícia, caso comprovada, configura grave ato de improbidade administrativa, pois o servidor beneficiado desvirtua o sentido da licença para atividade política e recebe sua remuneração por vários meses sem trabalhar. Incentivamos nossos Promotores a investigar e verificar, em cada Município, o que é efetivamente fraude à legislação e o que é, apenas, o infortúnio eleitoral do candidato servidor -, disse.

No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), podem ser encontradas informações detalhadas sobre as prestações de contas de cada candidato, inclusive recursos arrecadados e despesas realizadas. Para ter acesso aos boletins com os resultados da votação do 1º turno das eleições de 2016, por município, votação do candidato por seção ou por resultado por seção, o site do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE/SC) deve ser consultado.


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar