Florianópolis, Geral, Habitação, Política - 06 Abr 2021 20:33

MP quer que Prefeitura da Capital cumpra acordos sobre ocupações irregulares

MPSC requer à Justiça o cumprimento de acordos e a execução de multas pelo Município de Florianópolis em relação a ocupações u
Por: Direto da Redação TSF
 
MP quer que Prefeitura da Capital cumpra acordos sobre ocupações irregulares Favela da Lajota, no Norte da Ilha (Foto: divulgação)

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) ingressou na Justiça com ações de execução judicial para que que a Prefeitura de Florianópolis execute os compromissos firmados para coibir ocupações urbanas consideradas ilegais na Capital. Foram 38 Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) e 19 acordos judicias assinados no dia 5 de maio de 2019 onde o prefeito Gean Loureiro se comprometeu a cumprir conforme o combinado.

Para a 32ª Promotoria de Justiça da Capital, o descumprimento dos acordos - judiciais e extrajudiciais - demonstra o desinteresse do Município em resolver a situação, pois todos os compromissos firmados com o Ministério Público foram pactuados com os órgãos municipais dentro das condições que os gestores consideraram viáveis para executá-los.

Ao todo, são 95 ações judiciais: 38 execuções de TAC (acordos judiciais feitos em inquéritos civis); 19 execuções judiciais (execuções de acordos feitos em processos judiciais que já existiam); e 38 execuções de quantia certa (ações de cobrança das multas pelo não cumprimento dos TACs), que somam R$ 19,3 milhões, aproximadamente, em valores atualizados até 2/3/2021.

Região do Campeche, no Sul da Ilha  (Foto: divulgação)Região do Campeche, no Sul da Ilha (Foto: divulgação)

- O TAC e o acordo judicial são instrumentos de autocomposição com cronogramas e investimentos exequíveis e acordados dentro da realidade fática, estrutural e financeira do município -, salienta o Promotor de Justiça Paulo Locatelli, ao argumentar que o poder público deixou de agir nessas situações por negligência. 

Locatelli salienta, ainda, que o desinteresse do poder público em resolver os problemas das ocupações irregulares fica mais evidente nos casos dos acordos judicias.

- Eram ações que tramitavam há anos, algumas já com sentença, e houve a repactuacão para dar mais uma chance ao Município para cumprir essas decisões judiciais e regularizar as áreas objeto das ações -, prosseguiu. 

Em uma das ações em que houve o acordo judicial, o processo começou a tramitar em outubro de 2006. Desde então, houve uma série de decisões judiciais, sentenças e acordos nunca cumpridos pelo Município, sendo o acordo firmado em maio de 2019 a tentativa mais recente de uma solução efetiva e negociada, sem nova intervenção do Judiciário.

- Falta estrutura e vontade política para o reordenamento urbano. Os acordos acabam sendo assinados apenas para protelar uma solução, gerando um trabalho gigantesco nas promotorias que poderia ser canalizado para outros fins. É um achincalhe à instituição ministerial e aos institutos do ajuste de conduta e do acordo judicial, tornando esses instrumentos ineficientes, banalizando-os e forçando a movimentar a máquina do Judiciário para as execuções judiciais e gerando multas milionárias ao Município -, avalia o Promotor de Justiça.

Região do Carianos, entre o Trevo da seta e o Aeroporto, no Sul da Ilha. (Foto: divulgação)Região do Carianos, entre o Trevo da seta e o Aeroporto, no Sul da Ilha. (Foto: divulgação)


Regularização é prevista pelo REURB

Os acordos que acabaram ignorados pelo Municípío, tanto os judiciais quanto os extrajudicias, tentavam uma solução a situações previstas pela Lei Federal 13.465, da Regularização Fundiária Urbana (REURB). Esse regramento é aplicado nos casos de ocupações urbanas irregulares ou clandestinas já consolidadas, oportunidade em que se avalia se a remoção se impõe ou se não é mais possível desfazer as ocupações, com a recuperação dos eventuais danos ambientais ou questões relacionadas ao parcelamento de solo e urbanismo sem que haja um prejuizo social ainda maior, por exemplo.

Segundo as ações de execução, a REURB busca identificar os núcleos urbanos informais, organizá-los e assegurar a prestação de serviços públicos aos seus ocupantes, de modo a melhorar sua qualidade de vida; garantir o direito social à moradia digna e às condições de vida adequadas; e ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes.

Nesse sentido, a maior parte das obrigações da Prefeitura nesses acordos se refere à regularização fundiária; exigência de compensações urbanísticas, ambientais ou até mesmo indenizações, quando fosse o caso, ao Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano; e até mesmo providenciar, viabilizar ou cobrar a implantação de equipamentos e serviços públicos e comunitários.

Diante disso, as multas, segundo o Promotor de Justiça, podem ser revertidas ao Fundo de Reconstituição de Bens Lesados (FRBL), como previsto inicialmente, ou os valores poderiam ser aplicados diretamente em projetos e inciativas que visem ao bem-estar social das comunidades afetadas.

Uma das raras ações da Floram, retirando casebres irregulares (Foto: divulgação)Uma das raras ações da Floram, retirando casebres irregulares (Foto: divulgação)


Imprimir
Enviar para um amigo
Assinar

Envie esta notícia para um amigo



Comente
esta notícia

Ao efetuar um comentário, o seu IP (Internet Protocol) será gravado e poderá ser utilizado para identificar o usuário que inseriu o mesmo.
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor do comentário e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais do Tudo Sobre Floripa.


Outros comentários

noresults

Caso o comentário acima for abusivo ou seu nome for utilizado indevidamente, denuncie.

Notícias por data:

a
Voltar